Bateria inchada, o que fazer?

Escrito na categoria "Duração das baterias" por André M. Coelho.

Se você já teve um mau funcionamento do trackpad de um laptop, uma distorção da caixa do dispositivo ou uma rachadura na tela do telefone, apesar de nunca ter deixado o telefone cair, você pode ser uma das pessoas azaradas que sofreu um inchaço da bateria de íon de lítio. Uma bateria inchada pode parecer um problema menor, mas pode ser muito perigoso.

As baterias de íon de lítio são as queridinhas da tecnologia moderna, mas, como qualquer coisa, existem prós e contras. No lado positivo, eles são leves, contêm muita energia para seu tamanho, têm longa duração de ciclo e vida útil, são rápidos para recarregar e têm baixas taxas de autodescarga.

Agora, os contras: eles não gostam de altas temperaturas, se mal construídos podem ser perigosos para o transporte e têm o potencial de entrar em um ciclo térmico descontrolado quando sob estresse. Isso significa que eles podem pegar fogo. Felizmente, os dispositivos que utilizam baterias de íon de lítio devem conter circuitos que desligam a bateria quando esses ciclos são detectados.

O que deixa a bateria de celular inchada?

Baterias inchadas, embora não sejam comuns, são um risco significativo. Elas são o resultado de muita corrente dentro de uma célula da bateria, o que causa um acúmulo de calor e gás. Isso pode ser causado por sobrecarga, defeito do fabricante, descarga profunda ou dano à bateria.

Se você esteve em um voo comercial nos últimos anos, estará familiarizado com a instrução de que, se deixar cair o telefone, alerte a tripulação de cabine que o pegará para você. Embora seja muito gentil da parte deles, eles não estão apenas sendo legais. Se o telefone cair no mecanismo do assento, ele poderá ser esmagado se você mover o assento. Isso pode danificar a bateria de íon de lítio, causando superaquecimento e explodindo em chamas. Não é algo que você deseja em um vôo.

Bateria inchada em celulares

Seu smartphone pode ter uma bateria inchada e precisar de uma manutenção antes que exploda. (Imagem: Smart Homes Smart Offices)

Posso evitar a bateria de celular estufada?

Com os perigos que podem estar presentes, o que você pode fazer para garantir que não causará um problema maior? O defeito do fabricante é algo que você não pode evitar, mas há uma série de coisas que você pode fazer para minimizar problemas e prolongar a vida útil da bateria.

Não deixe o dispositivo conectado. As baterias de íon de lítio são destinadas a ciclos – descarregar e recarregar – portanto, mantê-las conectadas o tempo todo significa que elas não podem se exercitar no máximo. Isso é especialmente importante para baterias de laptop usadas em casa ou no escritório.

Use o carregador de energia correto. Às vezes, o carregador de energia original é perdido ou danificado e um novo é solicitado. Optar por uma opção barata pode parecer uma boa economia, mas pode não ter a mesma saída de energia e pode danificar sua bateria ou dispositivo, tornando-o uma escolha ruim.

Substitua a bateria se estiver danificada ou não funcionar mais como deveria. Todas as baterias eventualmente falharão, então se os sinais estiverem lá, tome medidas e substitua a bateria.

Guarde o dispositivo em um ambiente fresco e seco. Carros quentes e ambientes úmidos são inimigos da saúde da bateria.

Como recuperar bateria inchada?

Troque por uma bateria original da fabricante do dispositivo. Não ignore o problema e nem busque uma bateria mais barata. Não vai ficar melhor e não vai ficar mais seguro. Mesmo se seu dispositivo ainda funcionar, a bateria deve ser substituída imediatamente. Usar o dispositivo ou deixá-lo conectado à energia pode ser perigoso.

Seja cuidadoso. O acúmulo de gases torna uma bateria de íon-lítio inchada vulnerável, pois seu revestimento está sob estresse. Nunca tente perfurar uma bateria para liberar os gases.

Remova a bateria com cuidado, se possível. Se não for removível ou se sentir resistência ao tentar removê-la, pare e leve-o a um reparador autorizado. Se você puder removê-lo, coloque-o em um recipiente em um local seguro e fresco. Isso evita mais danos enquanto você decide para onde levá-lo.

Leve sua bateria a uma instalação autorizada de descarte de baterias, uma loja de conserto de computadores ou telefones ou Battery World. Esses locais oferecem processos de reciclagem corretos para garantir a reciclagem ou descarte seguro.

Desfrute de seus dispositivos e da liberdade e desempenho oferecidos pelas baterias de íon de lítio, mas esteja ciente de que eles devem ser tratados com cuidado e respeito. Caso contrário, pode ser mais do que apenas uma bateria que precisa ser substituída.

Por que a bateria incha?

As células de íon de lítio podem inchar por vários motivos, mas de alguma forma o problema do inchaço por descarga profunda e os riscos relacionados ao carregamento de uma bateria desse tipo parecem ser amplamente subestimados. As causas comuns de inchaço da bateria incluem:

Condições de sobrecarga que aceleram reações parasitárias entre os eletrodos e o eletrólito, com liberação de calor e gases.

Má qualidade da célula e design com baixas razões estequiométricas de ânodo para cátodo, contaminação por partículas

Danos mecânicos aos eletrodos induzidos durante a montagem da célula ou da aplicação do produto

Temperaturas excessivas (não deixe o celular dentro do carro)

Descarga profunda de células

Qualquer coisa que aumente a taxa de autodescarga de uma bateria é ruim (incluindo baixa qualidade de fabricação e exposição ao calor) e permite que a bateria descarregue mais rapidamente.

Uma condição de descarga profunda também pode criar riscos à segurança. Quando uma célula de íon de lítio entra em descarga profunda, ela está em um estado altamente desintercalado (a palavra intercalada significa inserir entre as camadas em uma estrutura de cristal). Em uma bateria de íon de lítio, o ânodo e o cátodo têm “cubículos” para o íon de lítio se deslocar para frente e para trás. Quando a bateria é descarregada profundamente, a camada de passivação protetora no ânodo, chamada de camada de interfase de eletrólito sólido (IES), se decompõe, com o novo eletrodo e as superfícies do eletrólito entrando em contato e uma nova camada IES é formada. Todas essas reações levam à formação de gás.

O coletor de corrente de cobre no eletrodo negativo também começa a se dissolver. Após a recarga, esses íons de cobre se depositam nas superfícies do eletrodo ou do separador, levando a um curto-circuito de cobre e ao risco de fuga térmica (o pessoal da bateria chama isso de evento, embora pessoas normais chamam isso de explosão).

Uma bateria totalmente descarregada não deve ser recarregada e um corte de tensão de descarga profunda deve ser implementado no sistema de proteção da bateria pelo fabricante do dispositivo. Isso pode incluir uma carga lenta até que um determinado limite de tensão seja alcançado em um determinado tempo e aumentar a carga subsequentemente. O não cumprimento do limite de tensão no tempo determinado, classificaria a bateria como danificada e a desligaria, evitando que fosse usada.

Não compre baterias baratas, onde você não está em posição de avaliar a qualidade de fabricação das células. Não compre carregadores de reposição, onde a adequação da proteção é desconhecida. Não exponha suas baterias a altas temperaturas. E, por último, se você ganhar um drone (ou outro dispositivo eletrônico) no Natal, não deixe de recarregar seu dispositivo com frequência.

Dúvidas? Deixem nos comentários suas perguntas!

Sobre o autor

Autor André M. Coelho

Quando André entrou na faculdade em 2004, notebooks eram ainda muito caros. Para anotar as informações, buscou opções, encontrando no Palm Zire 72 um aparelho para ajudá-lo a registrar informações das aulas. Depois, trocou por um modelo de celular com teclado, Qtek quando o 2G e o 3G ainda engatinhavam no Brasil. Usou o conhecimento adquirido na pesquisa de diferentes modelos para prestar consultoria em tecnologia a diversas empresas que se adaptavam para o mundo digital. André passou ainda por um Samsung Omnia, um Galaxy Note II, e hoje continua um entusiasta de smartphones, compartilhando neste site tudo que aprendeu.

Deixe um comentário