Os telefones dobráveis ​​podem ser a tecnologia mais estranha e revolucionária dos últimos tempos. Mas como essas coisas funcionam e quando teremos a chance de comprá-los? Entender isso é o primeiro passo para entrar no clima das novas tecnologias. Vamos entender como as telas são dobradas e funcionam na prática.

Celular que dobra no meio: como isso acontece?

Claro, tínhamos telefones flip dobráveis ​​nos anos 90 e 2000. Mas agora estamos na era dos smartphones e, se você tentar dobrar seu smartphone ao meio, você terminará com um telefone quebrado. Ou seja, a menos que o seu smartphone tenha uma tela OLED flexível, uma tela de polímero, componentes especializados e uma caixa articulada. Os telefones dobráveis ​​são preenchidos com uma tonelada de tecnologia revolucionária, mas o componente mais inovador que você verá é o famoso monitor OLED flexível.

Os monitores orgânicos de diodos emissores de luz (também conhecidos como monitores OLED) funcionam pulsando a eletricidade através de uma malha de compostos orgânicos. Eles são extremamente finos, flexíveis e vívidos. Eles não precisam de luz de fundo e podem produzir cores mais ousadas do que telas de LED grossas.

Esses monitores bonitos e flexíveis são fabricados principalmente pela Samsung e já estão em diversos produtos com os quais você pode estar familiarizado. O Galaxy S7 Edge possui uma tela OLED curva. O iPhone X contém uma tela OLED da Samsung. A Sony lançou algumas TVs OLED e a LG produz uma linha de TVs OLED exclusivas, finas como papel e um pouco flexíveis.

Fabricantes como Samsung e Royole desenvolvem telas OLED desde 2011, e essas telas já chegaram a muitos produtos de consumo. Por que demorou tanto tempo para os telefones dobráveis ​​se tornarem uma coisa? Bem, as empresas tiveram que descobrir como tornar todos os outros componentes de um telefone flexíveis também.

O vidro não é muito flexível, caso você esteja se perguntando. Como resultado, os fabricantes tiveram que desenvolver telas de polímeros flexíveis para telefones flexíveis. O circuito alimentado por baterias de íons de lítio pode pegar fogo se você as flexionar para frente e para trás, então os fabricantes tiveram que encontrar uma solução para isso. As capas de telefone de alumínio e plástico são tecnicamente flexíveis, mas elas se rompem após algumas dobras. Veja onde isso está indo? Tudo o que você espera encontrar em um telefone celular precisa ser revolucionado para uso em um telefone dobrável.

Fabricantes como Samsung e Royole descobriram como tornar os componentes de um telefone mais flexíveis. Caso contrário, eles não lançariam telefones dobráveis. Mas a tecnologia ainda está em seus estágios iniciais. Dito isto, levará alguns anos para que esses dispositivos se tornem acessíveis e comuns.

Enquanto isso, só podemos esperar que os fabricantes tenham um nome melhor para telefones dobráveis. As pessoas inevitavelmente começarão a chamá-las de “phondables” ou “flexifones”, e isso não é bom.

Aparelhos dobráveis

Os dispositivos dobráveis estão aparecendo mais, e estarão em breve em suas mãos. (Foto: Digital Trends)

Telefones dobráveis ​​oferecem infinitas possibilidades

Então, o que vamos fazer com os telefones dobráveis? É meio difícil descobrir para onde está indo essa tendência, porque os fabricantes já adotaram a tecnologia por vários caminhos únicos.

Sabemos que alguns dispositivos podem se expandir para smartphones do tamanho de tablets, e isso é muito legal. Você pode usá-los como smartphones comuns quando está andando ou dobrá-los em tablets quando quiser conversar por vídeo com um amigo ou realizar algum trabalho. Telefones que funcionam como tablet podem mudar a forma como consumimos mídia, além de facilitar ainda mais o trabalho em qualquer lugar.

Existem também dispositivos que levam a tecnologia dobrável na outra direção. Estes se dobram como um telefone flip e transformam seu celular volumoso em um dispositivo muito menor. Algumas demos de tecnologia mostraram telefones dobráveis ​​que podem envolver seu pulso, e a Apple adquiriu uma patente para um telefone que rola como um pergaminho, por incrível que pareça.

Essa tecnologia é tão nova e inovadora que os fabricantes não têm certeza do que fazer com ela. E isso é realmente empolgante, porque o formato dos smartphones pode finalmente evoluir para algo maior.

A tecnologia pode ficar fora de forma

Muitos dos problemas com os smartphones tradicionais foram resolvidos. Suas telas são duráveis, possuem uma duração de bateria tolerável e são relativamente fáceis de usar. Mas os telefones dobráveis ​​nos atrasarão um pouco. Eles têm telas maiores que exigem mais energia da bateria, são feitos de materiais que não são muito duráveis ​​e funcionam de maneira diferente do smartphone comum.

A maior reclamação que você ouvirá sobre esses telefones provavelmente será a tela de plástico deles. Não, eles não se quebram como vidro, e empresas como Royole fizeram de tudo para slogans como “diga adeus a telas quebradas”, mas essa ideia é um pouco enganadora. Lembra como os iPods tinham telas de plástico que arranhavam e arranhavam no seu bolso? Sim, os telefones dobráveis ​​terão o mesmo problema. E como esses telefones são dobráveis, você não terá muita sorte em encontrar um protetor de tela.

Mas a tela não é a única parte frágil de um telefone dobrável. Os fabricantes terão que se afastar das caixas de telefone de metal duro ou plástico em favor de materiais que possam suportar dobrar centenas de vezes por dia. As dobradiças desses telefones dobráveis ​​serão pontos fracos sérios (eles também estavam nos telefones flip), porque eles serão feitos principalmente de plástico e metais leves. Os displays OLED nesses dispositivos também serão um problema, pois os OLEDs podem sofrer desgaste ao longo do tempo (como uma TV), e o material orgânico de que são feitos é muito vulnerável à umidade.

A duração da bateria, compatibilidade de software, circuitos e facilidade de uso também serão obstáculos para esses telefones. Mas algumas pessoas podem não estar muito preocupadas com esses problemas menores e serão resolvidas muito antes que os telefones dobráveis ​​atinjam um preço favorável ao consumidor.

Se você colocar as mãos em um telefone dobrável em 2019, gastará muito dinheiro com um dispositivo frágil, desajeitado, sombrio e com muita energia. Lembre-se de quão instável o iPad de 1ª geração era? Sim, vai ser um pouco assim. Mas a concorrência promove o progresso tecnológico, e esses dispositivos dobráveis ​​(se eles se tornarem populares) devem se tornar confortáveis ​​e duráveis ​​em menos de uma década.

Você terá um smartphone dobrável algum dia?

Muitas empresas parecem estar lançando seus telefones flexíveis para o mercado o mais rápido possível, e algumas empresas já estão buscando cortar custos para lançar modelos mais básicos e intermediários com esse recurso. É seguro supor que os preços começaram altos mas que, com o tempo, esse recurso vá ficando mais barato.

O que vocês acham de smartphones dobráveis? Vocês investiriam nesses dispositivos?

Deixe um comentário

  • (não será divulgado)