O primeiro telefone celular que eu usei era quase um tijolo comparado com os modelos de hoje em dia. Na época, eu tinha meus 15 anos, e estava em uma viagem para Florianópolis. Minha mãe, preocupada, me deixou com o celular dela para que eu pudesse entrar em contato em caso de emergência.

Desde então, a tecnologia evoluiu bastante. Passei pelo celular com lanterninha LED (uma grande modernidade), tive um Palm, e fui o primeiro da minha turma de amigos a ter um smartphone 3G (um Windows Mobile antigo, com teclado). Em todas essas situações, eu estava longe de ser uma criança com um smartphone. Hoje, vejo meus amigos com seus filhos brincando com tablets, e crianças de 12 anos e até mais novas com smartphones mais modernos que o meu.

Com uma formação em pedagogia e um conhecimento avançado em tecnologia (sou entusiasta desde muito novo), sei do impacto que isso pode ter na vida de um jovem, se a tecnologia não for introduzida de uma forma correta ou se ela  é dada a uma criança no momento errado. Então, qual a idade certa para deixar que uma criança ou adolescente ganhe seu próprio smartphone ou tablet?

Idade para criança usar smartphone

Cuidado ao deixar seus filhos com smartphones: eles podem ser novos demais para ligar com tecnologias. (Foto: www.dailymail.co.uk)

Pais e celulares para crianças: babás eletrônicas não são boas ideias

O que mais acontece em relação a um smartphone ou tablet na mão de uma criança é que os pais, cansados de um dia de trabalho, ou sem muita paciência para educar ou disciplinar uma criança, usam o smartphone e os tablets como “babás eletrônicas”. Acha que não? Acha que você é um pai perfeito? Então me diga, quantas foram as vezes que para acalmar seu filho, você não colocou um vídeo ou um joguinho no celular para ele? Ou deixou ele ficar brincando no smartphone/tablet enquanto você estava ocupado com outras atividades?

Esse tipo de comportamento, de usar o smartphone para ocupar o tempo da criança ou discipliná-la (por exemplo, para que ela fique quieta em certos ambientes “chatos” para ela) é completamente errado. Isso é fugir da responsabilidade de educar a criança, e ensiná-la a lidar com diferentes situações e em diferentes ambientes.

Mas qual a idade certa para dar um celular para seu filho?

A questão não é exatamente a idade certa para seu filho ter um celular, mas está mais relacionada à maturidade do seu filho para ter um smartphone ou tablet.

Crianças amadurecem em ritmos diferentes. Antes de equipar sua criança com um smartphone, a decisão mais inteligente a tomar é analisar a maturidade do seu filho, além da responsabilidade dos pais para monitorar a quantidade de tempo que eles terão de uso do smartphone ou tablet. Você pode querer um celular que apenas faça e receba ligações para uma criança mais jovem, mas um adolescente com certeza vai querer um pouco mais do que isso.

Talvez a pergunta certa que os pais devam estar se fazendo não seja a idade que os filhos devam ter um smartphone ou tablet, mas sim por que seus filhos devem ter um smartphone.

Por que seu filho deve ter um telefone?

Crianças e principalmente adolescentes terão os argumentos mais criativos, apelando até emocionalmente para os pais. Os responsáveis tem que ser resistentes, e não ceder a tentação. Devem conhecer muito bem seus filhos e compreender motivos reais, motivos que justificam a compra de um smartphone para uma criança ou adolescente.

Manter contato: alguns pais encaram os telefones móveis como uma forma ideal para se manter em contato com seus filhos. As crianças podem entrar em contato com seus pais, receber ligações, avisar quando eles precisam de uma carona, e fazer chamadas de emergência, se algo de ruim acontecer. Um adulto ainda pode usar um smartphone para rastrear a localização do seu filho, dando paz para os pais mais ansiosos.

Localização: com um smartphone, crianças e adolescentes podem usar serviços de mapas e GPS para se localizar melhor, facilitando até para encontrar, por exemplo, o ponto de ônibus próximo, ou pedir um táxi ou Uber direto de onde eles estão.

Educação: aplicativos educativos estão disponíveis em abundância para smartphones e tablets hoje em dia. Não utilizá-los é uma decisão que vai deixar seu filho em desvantagem no futuro, pois cada vez mais escolas, universidades, faculdades, e até empresas usam aplicativos para educar mais pessoas.

Socialização: aplicativos de bate papo e redes sociais são outro bom argumento para justificar a compra de um smartphone para seu filho. Ainda mais quando jovens, a socialização tem um papel essencial para formar a autoconfiança e o círculo de amizades de seus filhos.

 

Por que seu filho não deve ter um telefone?

Do outro lado, temos uma outra pergunta interessante: por que seu filho não deveria ter um smartphone?

Crianças não tem filtro de informações: e isso pode resultar nas crianças consumindo muito mais informações do que elas são realmente capazes de absorver. Ficar o dia inteiro conectado não é saudável para ninguém, principalmente para quem não tem a maturidade ainda para lidar com isso.

Conteúdo impróprio para crianças: mesmo controlando o máximo de conteúdo possível, um smartphone ainda vai dar a uma criança o acesso a uma certa quantidade de conteúdo impróprio, sobre o qual você não terá controle.

Perigo de conversas com estranhos: se seu filho está digitando ou conversando em um telefone celular, você não tem ideia de quem está na outra extremidade. Seu filho poderia estar falando com alguém com más intenções. Eles também podem tirar fotos e, potencialmente, compartilhá-las com desconhecidos.

 

Primeiro celular de uma criança: a idade certa depende da atitude dos pais

A decisão de dar ou não um smartphone para uma criança deve ser baseada exclusivamente em uma questão: os pais vão ser responsáveis o suficiente para educar a criança a usar a tecnologia? Vão monitorar a criança a usar o smartphone com responsabilidade? É muito fácil comprar o smartphone e deixar com o seu filho. O difícil é convencer e educar a criança de que ele tem que controlar o tempo de uso do smartphone, que ele não pode usar o aparelho para certas coisas, ou que passar tempo demais usando qualquer tecnologia pode fazer muito mal para a saúde. Jogos, por exemplo, são bons, mas é bom separar tempo para os estudos, os amigos, família, e outras coisas também. Faça seu filho entender essas questões. Sente com ele, converse. Tome o smartphone dele se ele não quiser entender. Afinal, a função dos pais é educar e punir os filhos, se eles não quiserem entender.

Sabendo disso e monitorando bem, qualquer idade é ideal para deixar seus filhos usarem e terem um celular.

Com qual idade vocês acham certo uma criança ter um smartphone? Por que? Qual foi a idade que vocês ganharam o primeiro smartphone de vocês?

 

 

Deixe um comentário

  • (não será divulgado)